Caracterização topográfica de Guimarães

Após algum tempo de investigação e amadurecimento de ideias, partilho aquilo que julgo ser uma ferramenta interessante para qualquer estudioso do relevo/topografia de uma determinada região, neste caso do concelho de Guimarães. Este trabalho foi produzido com base em mapas topográficos e cartas militares digitais e duas ferramentas preciosas: Google Earth e, sobretudo, o poderoso winprom. A referência que serviu de mote a esta investigação é o blog Garcias, uma verdadeira enciclopédia sobre as montanhas de Portugal, do vimaranense Pedro Macedo.

Enquanto o Garcias se dedicou às montanhas de elevada altitude e proeminência, eu decidi focar a minha análise a um âmbito geográfico mais restrito. Como não existia até à data informação detalhada e facilmente acessível sobre os cumes do concelho de Guimarães nem sobre as linhas de cumeada que dividem as várias bacias hidrográficas do concelho, mergulhei nos mapas e cheguei ao resultado que, embora correndo o risco de ser impreciso, será um bom ponto de partida para outras investigações mais aprofundadas.

Os cumes

Se perguntarmos a qualquer vimaranense qual é o ponto mais elevado do concelho, a maioria irá acertar: a Penha. Mas e os restantes lugares do pódio? E quais são os cumes mais proeminentes? E qual é o cume-pai da Penha? Para responder a estas perguntas já seria necessário partir muita pedra. Se o conceito de altitude é bastante simples de entender, o mesmo já não se poderá dizer do conceito de proeminência, para o qual se recomenda a leitura prévia da Wikipedia. Definido de forma muito simples, a proeminência é o desnível que há que descer desde o cume de uma montanha para chegar a outra qualquer, desde que esta tenha maior altitude, indo sempre pela linha de cumeada, i.e., sem passar por cursos de água. Quanto mais proeminente é um cume, mais se destaca dos vizinhos.

A figura abaixo e a tabela que se segue descrevem a lista dos cumes do concelho de Guimarães com maior proeminência, ordenados alfabeticamente. Foram considerados todos os cumes com mais de 30 metros de proeminência, critério utilizado por exemplo por referências como o Peakhunter. O nome de alguns cumes – obtido da cartografia militar – pode não corresponder à identificação dada pelos habitantes da vizinhança, pelo que se agradece eventuais correções. Ao lado da informação sobre altitude e proeminência encontra-se o lugar que o cume ocupa na classificação concelhia.

guimaraes-peaks-final

 

Nr. Nome Localização Lat./Long. Alt. Proem.
1 Areeiro Infantas 41°25’24″N 8°13’21″W 392m
(#12)
49m
(#16)
2 Lagedas Gonça 41°31’03″N 8°14’33″W 543m
(#3)
148m
(#4)
3 Lijó Polvoreira 41°24’18″N 8°18’39″W 352m
(#16)
68m
(#14)
4 Listoso Rendufe 41°28’36″N 8°13’12″W 574m
(#2)
34m
(#21)
5 Meninas Lordelo 41°22’51″N 8°23’03″W 254m
(#21)
94m
(#9)
6 Monte da Santa Selho (S. Jorge) 41°25’51″N 8°21’48″W 249m
(#22)
99m
(#8)
7 Outeiro de São Pedro São Faustino 41°23’36″N 8°16’57″W 478m
(#8)
83m
(#11)
8 Outinho Balazar 41°29’51″N 8°22’51″W 473m
(#9)
171m
(#3)
9 Pedra Fina São Torcato 41°29’57″N 8°15’42″W 498m
(#7)
69m
(#13)
10 Pedral Candoso (S. Tiago) 41°25’00″N 8°18’57″W 281m
(#18)
32m
(#22)
11 Penedo da Bandeira Gonça 41°30’48″N 8°15’48″W 530m
(#4)
146m
(#5)
12 Penedo da Cruz Lordelo 41°22’57″N 8°22’36″W 236m
(#24)
31m
(#24)
13 Penha Costa 41°25’48″N 8°16’06″W 603m
(#1)
254m
(#1)
14 Pinhal dos Cubelos Rendufe 41°27’57″N 8°13’57″W 516m
(#5)
37m
(#19)
15 Pombeiro Candoso (S. Tiago) 41°25’24″N 8°19’06″W 299m
(#17)
70m
(#12)
16 Portela Selho (S. Jorge) 41°26’12″N 8°20’45″W 247m
(#23)
65m
(#15)
17 Sabroso Sande (S. Lourenço) 41°30’42″N 8°20’30″W 266m
(#20)
37m
(#19)
18 Santa Eulália Fermentões 41°27’09″N 8°19’15″W 276m
(#19)
89m
(#10)
19 Santiago Selho (S. Lourenço) 41°28’39″N 8°17’51″W 375m
(#14)
44m
(#17)
20 Santo Antonino Mesão Frio 41°26’36″N 8°14’21″W 509m
(#6)
120m
(#6)
21 São Bartolomeu Leitões 41°28’45″N 8°23’00″W 412m
(#10)
38m
(#18)
22 São Miguel-o-Anjo Vermil 41°27’30″N 8°23’09″W 376m
(#13)
116m
(#7)
23 Senhoras do Monte Nespereira 41°24’18″N 8°20’36″W 402m
(#11)
190m
(#2)
24 Venda da Serra Calvos 41°24’24″N 8°14’27″W 371m
(#15)
32m
(#22)

 

A Penha destaca-se claramente de todos os restantes cumes, com uma altitude de 603m, apresentando uma proeminência significativa (quase metade da sua altitude). O Listoso, em Rendufe, apesar de ser o segundo mais alto do concelho (574m), tem uma proeminência bem mais modesta. O terceiro cume mais elevado de Guimarães é o de Lagedas (543m), em Gonça, também conhecido por Senhora do Monte – a capela com o mesmo nome fica umas centenas de metros mais abaixo.

Quanto à proeminência, para além da Penha, com 254m, destacam-se as Senhoras do Monte (190m) que, apesar de terem uma altitude modesta, também se destacam bastante na paisagem. Em terceiro lugar, temos um cume perto da fronteira com Braga, o Outinho, com 171m, situado um pouco acima da capela da Senhora da Sáude, em Balazar.

As linhas de cumeada

A análise das linhas de cumeada permite-nos identificar claramente as bacias hidrográficas e as relações de hierarquia entre os diferentes cumes. Uma linha de cumeada corresponde ao caminho que alguém faz de cume a cume sem cruzar cursos de água, i.e., caminhando sempre na crista da montanha. De cada lado da linha temos bacias hidrográficas distintas, com os rios e ribeiros a escorrerem cada um para a sua vertente da linha de cumeada. Em cada continente ou ilha, uma linha de cumeada termina no cume mais elevado dessa área. As linhas de cumeada do continente euro-asiático terminam no monte Evereste.

Em Guimarães, como se pode observar pelo mapa acima, podemos distinguir três grandes linhas de cumeada, todas com orientação sudoeste-nordeste, tomando novamente como ponto de partida os cumes com proeminência superior a 30 metros:

  • Meninas (Lordelo) – Santa Marinha (Freitas, Fafe), à qual confluem outras linhas de cumeada menores do sul do concelho. Esta linha divide as bacias hidrográficas do Vizela (a sul e este) e do Selho (a norte e oeste).
  • Monte da Santa (S. Jorge de Selho) – Santa Marinha (Freitas, Fafe), sem ramificações relevantes. Esta linha divide as bacias do rio Selho (a sul e este) e do rio Ave (a norte e oeste).
  • São Miguel-o-Anjo (Vermil) – Sameiro (Braga), com uma ramificação menor ao cume de Sabroso. Esta linha divide as bacias do rio Ave (a sul e este) e do rio Este (a norte e oeste).

Como se percebe, as duas primeiras linhas confluem em Santa Marinha – perto da nascente do Selho – e prosseguem numa só cumeada em direção à Serra do Maroiço, em Fafe, aqui já apenas dividindo a bacia do Ave da do Vizela.

Ao longo de uma linha de cumeada, existe uma relação de paternidade entre os vários cumes que a compõem. Por exemplo, na linha que principia no Lijó (352m), vamos encontrar pelo caminho até à Penha vários outros cumes sem proeminência significativa, mas que são cumes-pai do Lijó: Samarões (375m), São Simão (455m), Lapinha (505m), entre outros.

Sendo a Penha o cume de maior altitude em Guimarães, coloca-se a questão de saber qual o seu cume-pai. Seguindo a linha de cumeada em direção à Serra do Maroiço, vamos encontrar um cume desconhecido mas que é em teoria o cume-pai da Penha: um alto a 619m de altitude, entre os lugares de Arribas e Pardelhas, na freguesia da Queimadela, em Fafe. Trata-se de um cume anónimo e muito pouco proeminente mas que, na linha de cumeada, é mais elevado do que a Penha e seria portanto o cume-pai desta.

[ATUALIZADO EM 29/12/2017] No entanto, como sugerido por Pedro Macedo, podemos ser mais exigentes e impor ao cume-pai o mesmo critério de proeminência usado para a Penha e restantes cumes – “Ninguém diz que a montanha pai do Monte Branco é uma montanha sem nome nos Himalaias, dizem que é o Everest“. Ou seja, nem qualquer cume deveria ser reconhecido como pai da Penha. Tem de ter tanto gabarito como os seus filhos! Neste caso, o primeiro cume com proeminência superior a 30 metros e mais elevado do que a Penha na sua linha de cumeada é o pico do Maroiço, a 839m de altitude, situado em São Miguel do Monte, Fafe. Este, sim, é um cume que se destaca visualmente na região e que merece verdadeiramente ter, na prática, o título de cume-pai da Penha.

E agora?

Seria interessante ver este trabalho desenvolvido em direção ao concelho de Fafe e outros por diante, para continuarmos a seguir as linhas de cumeada em direção às serras mais interiores e identificar as bacias hidrográficas relacionadas. Se houver interessados em prosseguir este estudo, darei todo o apoio necessário.

Como nota final, devo lembrar que esta caracterização foi feita por um amador e, como tal, é mais propensa a erros, pelo que se solicitam correções sempre que se justificar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s